Portal no Facebook Portal no Twitter Portal no YouTube Blog do Portal Portal nas Redes Sociais

Confira!

Cidadania e Direitos da 3a Idade... Entrevistas: Mercado de Trabalho, Transportes, Economia... Entrevistas: Saúde e Bem-estar... Reportagens... Confira programação completa... Confira!

Portal Terceira Idade
Notícias do Cidadão Notícias do Cidadão Espaço Livre Espaço Livre Shows e Eventos Shows e Eventos Cursos e Atividades Cursos e Atividades Parcerias Parcerias Direitos 3a.Idade Direitos 3a.Idade

Diálogo Aberto

Enquete "Você acha
que...?"
Enquete
Cadastre-se Cadastre-se
no Portal
3a.Idade!
Busca Procurando
algo no site?
Busca
Pesquisa Links para
Pesquisa
Mural de Trocas Anuncie
seu produto!
Mural
de Trocas
Fale Conosco Dúvidas?
Sugestões?
Críticas?

Fale
Conosco
Dicas de Internet "Download"?
"Browser"?
Dicas
de Internet

Colméias da 3a.Idade
Colméias da 3a.Idade
Escolha o seu assunto e participe de nossas salas de chat temáticas

Notícias do Cidadão
Notícias

Especial Carnaval - Homenagem
“O que é que a baiana tem?”
Conhecida por seus exóticos chapéus com frutas, Carmen Miranda, que completaria 109 anos no dia 9 de fevereiro, chegou a ser a atriz mais bem paga de Hollywood com um personagem que entraria no imaginário popular do século 20
Por: Tony Bernstein
Coordenadora Geral do Portal Terceira Idade, Pedagoga
e Jornalista (API, Assoc. Paulista de Imprensa: Reg. 2152)
Fale com o colunistaFale com o colunista
Fale com o colunista

Carmen Miranda interpreta a música "Mamãe eu Quero", escrita em 1936 por Jararaca e Vicente Paiva (1'57'')

Dica: Para fechar o mini-banner publicitário que eventualmente aparecer sobre a imagem do vídeo
alguns instantes logo após o seu início, clique no "x" do canto superior direito do mini-banner
 
onhecida por seus exóticos chapéus com frutas na cabeça, ela foi a primeira artista latino-americana a ser homenageada com uma estrela na Calçada da Fama, em Hollywood, nos Estados Unidos, onde fez um total de 14 filmes entre 1940 e 1953. Em 20 anos de carreira deixou sua voz registrada em 313 gravações, no Brasil e nos EUA. Até hoje, nenhum artista brasileiro teve tanta projeção internacional como ela.

Sim, estamos falando de Carmen Miranda. A cantora, atriz e dançarina, que morreu aos 46 anos, em 1955, completaria 109 anos no dia 9 de fevereiro.

Personagem de desenho animado da Disney

Maria do Carmo Miranda da Cunha nasceu no dia 9 de fevereiro de 1909, em Marco de Canaveses, em Portugal. Conhecida como a “pequena notável” – ou “explosão brasileira”, no exterior –, Carmen Miranda chegou a ser a atriz mais bem paga de Hollywood e criou um personagem que entraria definitivamente no imaginário popular do século XX em várias partes do mundo.

Carmen Miranda tinha desenvoltura de palco e carisma. Sabia cantar, dançar, atuar e foi uma estrela da indústria cultural que se formava na época. Até o final da década de 1930, já havia gravado mais de 300 músicas e também aparecido em vários filmes, nos quais interpretava ela mesma. Ficou conhecida internacionalmente pelo seu estilo alegre de ser e de vestir – inspirado nas roupas das baianas – inúmeros badulaques e seu chapéu com frutas. Carmen Miranda, mais tarde, viraria boneca de papel e até desenho animado da Disney.

“O que é que a baiana tem?”

Carmen tinha pouco menos de um ano quando veio com a família para o Rio de Janeiro. Com vocação para seguir a carreira artística, aos 20 anos, foi apresentada ao compositor Josué de Barros que, encantado com seu talento, passou a promovê-la em editoras e teatros. O sucesso não demorou a chegar e veio no ano seguinte com a marcha “Pra Você Gostar de Mim” (“Taí”), de Joubert de Carvalho. Pouco depois, ela já era apontada como uma das principais cantoras do Brasil.

Em seguida, Carmem assinou contrato com a rádio Mayrink Veiga, onde ficou até 1936, quando se transferiu para a Tupi. Em 20 de janeiro de 1936, estreou o filme “Alô, Alô Carnaval” com a famosa cena em que ela e Aurora Miranda, sua irmã, cantam “Cantoras do Rádio”.

Foi em 1939, no filme “Banana da Terra”, que Carmen Miranda apareceu pela primeira vez caracterizada de baiana, personagem que a lançou internacionalmente. O musical apresentava clássicos como “O que é que a baiana tem?”, que lançou Dorival Caymmi no cinema.

Banquete na Casa Branca

Três anos depois, veio a chance de fazer carreira nos Estados Unidos. A estreia de Carmem aconteceu no espetáculo musical "Streets of Paris", em Boston. Seu sucesso de crítica e público foi enorme.

Sua fama não parou de crescer e, no dia 5 de março de 1940, ela se apresentou ao presidente Franklin Roosevelt durante um banquete na Casa Branca. Entre 1940 e 1953 atuou em 14 filmes em Hollywood e esteve nos mais importantes programas de rádio, TV e teatros dos EUA. Carmem Miranda chegou a receber o maior salário até então pago a uma mulher nos Estados Unidos.

Remédios para insônia

Em 1947, ela se casou com o norte-americano David Sebastian, com quem viveu uma relação bastante difícil. Nos EUA, Carmen começou a usar remédios para insônia para dar conta da sua agenda lotada. Além disso, bebia e fumava bastante, o que potencializava o efeito dos remédios.

Retornou ao Brasil em 1954, após 14 anos, e fez tratamento no Rio de Janeiro para se desintoxicar. No ano seguinte, Carmem retornou aos EUA após leve melhora, mas, não demorou muito voltou aos antigos vícios. Ela morreu, após um ataque cardíaco fulminante, no dia 5 de agosto de 1955, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

O corpo de Carmen Miranda foi transladado para o Brasil. O cortejo fúnebre reuniu cerca de meio milhão de pessoas. No Aterro do Flamengo, na cidade do Rio de janeiro, o governo criou o Museu Carmen Miranda.


Vídeo/fotos/ilustrações: divulgação
Mais sobre o assunto na internet
Wikipédia, a enciclopédia livre
Carmen Miranda
Maria do Carmo Miranda da Cunha, mais conhecida como Carmen Miranda, foi uma cantora e atriz luso-brasileira
Carmen Miranda - Site oficial
Biografia, músicas, cinema, moda, fotos, depoimentos, destaques
Ouça suas músicas na rádio online do site
Mais sobre o assunto no Portal Terceira Idade
Notícias > Especial Carnaval - Marchinhas (vídeo)
“Quanto riso! Oh! Quanta alegria! Mais de mil palhaços no salão...”
O trecho de “Máscara Negra” (Dalva de Oliveira, 1967) nos faz ficar com saudade das marchinhas de Carnaval daquela época, do confete, da serpentina e das inocentes máscaras de pirata...
Notícias > Anteriores > Carnaval - Homenagem
Homenagem a Chiquinha Gonzaga
Autora da marchinha carnavalesca “Ó Abre Alas”, em 1899, foi a primeira mulher a se destacar como compositora na história da música popular brasileira, ultrapassando todas as convenções de sua época
Notícias > Anteriores > Carnaval - História
Carnaval 10.000 a.C.
Você sabia que os primeiros sinais do que mais tarde se chamaria Carnaval aconteceram dez mil anos antes de Cristo, entre os povos que habitavam as margens do rio Nilo, no Egito?

Outras Notícias

Portal Terceira Idade® é uma realização da
Associação Cultural Cidadão Brasil
©Todos os direitos reservados
Desenvolvimento, Webdesign e Sistemas: Auika - Web & Graphic Design